Luiz Henrique

Talvez por teimosia ou puro exercício de fé, ainda acredito na natureza humana ...

Textos


TU E EU…
(Fátima Pereira)

Já o sol se punha quando nos encontramos,
Vi-te e os meus olhos depararam contigo,
Sorridente e afável,
Aproximamo-nos e os nossos olhares,
Trocaram cumplicidades nunca sentidas,
Amor à primeira vista,
Talvez, não sei,
Mas ambos sentimos algo inexplicável…

Foram serenos dias de sonho intermináveis,
Sensações únicas,
Sentimentos jamais vividos,
Fui tua, foste meu,
Possuímo-nos com sofreguidão,
Um só ser,
A fusão plena de almas que se desejam,
Que se completam,
Explosão sublime de dois corpos,
Possuídos e pelo desejo perdidos…

Juntos, absortos pela paixão,
Fizemos planos,
As nossas noites foram loucas,
Longas e poucas,
Para extinguir a chama,
Do fogo que ambos ateamos,
Amei-te, amaste-me,
Mas desse sublime amor
Apenas restam as minhas divagações,
Puras e loucas,
Sim, loucas,
Loucas de amor por ti.

E fulminada pela saudade,
Prossigo o meu percurso,
Só, de alma e coração vazios,
Ensombrados pelo pesadelo da tua indiferença,
Impotente perante a tua ausência…

Resposta:

EU E TU...
(Luiz Henrique)

Não nos demos um ao outro, apenas
Demo-nos a um amor que críamos sem fim
Tu, no furor da paixão jamais te apequenas
E eu, impregnei cada poro do teu corpo em mim

Foram dias e noites de paixão febril
Em que entregamo-nos sem trégua ou reservas
Quis o destino, por ironia, nos atribuir esse ardil
Arrastando-nos à condição de daninhas ervas

Há um componente de loucura
Nessas coisas do amor e da paixão
É doença sem remédio e cura:
Os poetas são fadados a viver em solidão
E acredite: remar contra esta assertiva é vão

Por consolo penso que nada desperdiçamos
Desse amor que, ambos, experimentamos:
Na proximidade dos corpos - intenso
Na intimidade das almas - leve
No arrebatamento da alcova - denso
E por secular maldição - breve

Eis a cota que nos cabe e resta, poetisa
Falhamos nos planos numa aritmética indivisa

É que para nós, todo amor é pouco
Damos (e esperamos) sempre muito, sempre mais
E nas peças que nos pregam esse mundo louco
Estamos distanciados - nem tanto nem pouco
Ligados como fantoches, apenas por nossos ais ...

 
Luiz Henrique Noronha
Enviado por Luiz Henrique Noronha em 09/08/2013
Alterado em 09/08/2013

Música: Comin' Around Again - Carly Simon

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Henrique). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras